quarta-feira, 22 de outubro de 2014

As Máquinas Capitalistas, Deus Mercado, Senhor Deus dos desgraçados...



As Máquinas Capitalistas, 

Deus Mercado,

Senhor Deus dos Desgraçados






As máquinas capitalistas começaram a girar as engrenagens no leste do planeta. Amanheceu. Os terríveis tubos ejectam carbono e dióxido de enxofre  - ad infinitum. Homens autômatos, tontos como baratas borrifadas de inseticida, são fantoches do manipulador deus mercado. Drágeas, comprimidos, cápsulas de todas as matizes e todas funções são engolidas com líquidos edulcorados, corantificados, quimificados - sugados de latas de cores flamejantes. O sistema humano precisa girar, o movimento do planeta não é suficiente. Os rios secam nas planícies e os mares ganham volume pelo degelo. O paraíso se tornou inferno. As manchetes das corporações midiáticas sorriem com tanta  desgraça. Sangue, poluição, devastação, secas, mortes & dor são necessários para a alienação. Antibióticos, corticoides e feiticeiros diplomados e outras artificialidades da ciência não conseguem vencer a magia primária. Que sina, o antes símio, agora, homos sapiens, foi obrigado pelo destino percorrer.  Manipulado pelas quatros forças do universo, o bípede inventa teorias para justificar o mito do livre-arbítrio e assim justificar o sangue derramado para defender seus títulos de propriedade.  Um vazio para o universo, uma inflação de ego para a humanidade. A única maneira de lidar  com o homem, com justeza, é com cinismo acído, ou melhor, o cinismo do cinismo: - A zombaria...



Em cada homem a religião ocidental colocou uma cruz, em cada comportamento animal-humano a ciência inventa uma psicologia, a cada dúvida a vanguarda cientifica coloca o infinito. Como é terrível ver os homens no fundo do abismo de suas engenharias politicas-sociais-econômicas. Ver a babel codificada dando esperança que o pré-determinado possa ser transformado. Os sistemas tendem para a autodestruição, a humanidade é um sistema, um jogo de dados do que chamamos universo. O acaso pré-determinado é a causa que atormenta o sonho de liberdade, mas os grilhões são perpétuos na finidade humana. 



Como é atual Castro Alves, mas estendido a todos os homens: 







Senhor Deus dos desgraçados



Dizei-me vós

Senhor Deus


Se é loucura, se é verdade tanto horror...











Nenhum comentário:

Postar um comentário