quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Maxikoan - Existência Nauseada - by Eros Thanatos



"Why is there something rather than nothing? "  Martin Heidegger










Quando tive o primeiro contato com o existencialismo, um dos seus autores - Jean Paul Sartre - já havia falecido. Estava na puberdade, os feromônios, os poli-hormônios espocavam nas glândulas do corpo em rebelião. Havia uma revolução em cada aminoácido, uma revolta em cada célula. Precisava de uma filosofia, de sexo, de esportes, de drogas, de álcool... nada era suficiente para deter a revolução da revolução que habitava os neurônios. A biblioteca pública ajudava o aplacamento da fúria, quase incontrolável - desejos de motins contra o estabelecido, contra o status quo. As tardes ocorriam e transcorriam nas paginas de Nietzsche, nos Deuses de Epicuro, nas escassas informações de maio/68 - o estaleiro para atracar a nau da revolução latente.






Foi num outubro quente, na feira do livro de Porto Alegre, embaixo dos jacarandás floridos, depois de consumir infinitas cervejas, no saudoso bar central, que contatei Sartre. Estava nas caixas de saldo o livro: A Náusea. Fiquei pensando sobre qual o conteúdo das páginas. Seria algum personagem alcoólatra de ressaca ou simplesmente alguém enojado da sociedade capitalista. Puxei algumas cédulas da minha jaqueta Lee e fiquei a sopesar. Compraria o Livro ou tomaria mais algumas cervejas. Resolvi fazer ambos, surrupiei o livro e tomei mais cervejas virando as páginas do filosofo existencialista na mesa de um bar. Foi assim que comecei a ler Sartre, e foi assim que contaminei meus pensamentos com a liberdade e o ateísmo Sartriano; porém estava no mínimo 30 anos atrasado... 






Jean-Paul Sartre escreveu: "O que importa é o que você faz com aquilo que fizeram de você". Em Outras palavras, o existencialista queria dizer, você tem um certo grau de liberdade, de livre-arbítrio, você pode vencer a sociedade e inclusive mijar no túmulo do Chateaubriant. Sartre era considerado um intelectual sujo, junkie, um contumaz consumidor de álcool, coridrina, mescalina e outras drogas. Suas contradições inundavam as posições políticas e a filosofia, pois ao mesmo tempo defendia a liberdade do individuo e apoiava a extinta União Soviética Stalinista, que esmagava a singularidade em nome da coletividade. Sartre foi um errante aos olhos da ortodoxia, porém a própria esquerda tradicional que lhe criticava tinha seus fundamentos na contradição, na dialéctica, no movimento incessante da historia, ou simplesmente, na existência, no existencialismo.





Hodiernamente, sou um Roquentin. Tenho náuseas de tudo, da sociedade, dos esportes, do álcool, das drogas. A minha náusea começa quando acordo, quando estou em vígil e vai até o momento em que durmo. Tenho ataques de vômitos e enjoos full time. Não encontro nenhum porto seguro em que possa ancorar o niilismo, a nadificadão da existência, mas Sartre não é o único responsável para a tendencia ao nada. O pessimismo se agudizou ainda mais no momento que abri livros de Heidegger e descobri o homem autentico. A vida é sem sentido, é aleatória, apesar de pensarmos que temos poder de mudar alguma coisa. O homem autentico sabe que nasceu para morrer, que não tem nada de especial, apenas tem uma linha de tempo biológica que se extinguirá em algum momento da sua existência. O pensar é a tortura ininterrupta que o córtex impõe, a náusea é a essência do pensamento, quem pensa deve saber, estamos sós e morreremos sós por mais que alguém tente buscar uma salvação, uma transcendência.





Um dos Filósofos que Sartre se influenciou foi Heidegger que perguntava:


- Porque Existe o Ser e Não o Nada?

Na realidade existe o ser em busca do nada ou o homem tentando preencher o nada com a superfície da existência fora do seu âmbito biológico, do seu âmbito intelectual, mas isso é apenas um passa-tempo, uma manobra diversionista para driblar o futuro-nada ou o sem sentido da vida.... O filosofo existencialista sentiu o nada, mergulhou no nada antes de morrer. Tomava porres imensos nos cafés parisienses, abusava de soníferos, ficou cego. Podemos dizer que foi um Édipo do século vinte. Descobriu o enigma da existência e mergulhou na caverna profunda e densa do nada. Seu último pensamento deve ter sido: "A luz ou a escuridão não importa, quando pela atividade intelectual descobrimos a única eternidade acessível ao homem, ou seja, O Nada....









 

Nenhum comentário:

Postar um comentário