segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Maxikoan - The Sermon of the Abyss




The Sermon of The AByss







Estou sempre incoativo. Uma incoatividade sistemática; é o padrão de uma passividade consciente, que sabe, que traduz a palingenesia, o eterno retorno de Nietzsche. Sinto o sabor do gerúndio em cada passo futuro que sempre deságua no passado. Sinto o desejo racionalizado ou a sabedoria do amplo fluxo da existência que não pode se desvincular da pré-determinação, da natureza que os gregos chamavam de Phisys. Na realidade, a Phisys Grega exercida pelos que a filosofia chama de pré-socráticos, nos revela uma profundidade no conteúdo conceitual gerado pelo epifenômeno que se aproxima muito do Ser. O Ser dos sentidos, das percepções, da linguagem adaptada a realidade. Os neurônios neste modelo estão configurados com as forças do universo, da matéria formando uma sintonia fina com córtex.





O paradigma da Phisys Grega, apesar de seus vários conceitos e diferentes interpretações, mantém o fundamento que se abre para o homem moderno - para ciência atual. De Tales de Mileto (Água) a Demócrito (átomos) há a unidade, o modelo que busca fechar o sistema a partir de um principio, num pressuposto que vai redundar na teoria, na busca da verdade, mesmo que seja infinita. Aqui começa o perigo da totalidade, de fechar universos específicos, ampliando para uma explicação holística. Esta ideia da formula total foi transposta perigosamente para as ciências sociais. No Século XIX  Auguste Comte iniciou com a sociologia a transposição das leis  científicas da natureza à sociedade humana, ocasionando uma matematização da humanidade no seu Positivismo.




A Direita e a Esquerda no século vinte usaram o estado como a racionalidade mais acabada, o ápice do espirito, como escrevera Hegel - o coletivo sufocando o individuo. O controle total do homem pela repressão tem a origem na tentativa de totalização da sociedade e do mundo pela Republica de Platão e  da Racionalidade Hegeliana, que provocaram as grandes guerras e uma tensão permanente no século XX. Nestas filosofias há uma justificação de uma sociedade de classes, de estamentos, sem mobilidade social ou a extinção de patamares sociais, herdadas da revolução industrial, da maquinação social, da divisão do trabalho; diferente das Utopias da renascença, que ofereciam um mundo mais generoso, mais edulcorado ao ser humano. 





No Século XXI chegamos ao controle total dos cidadãos do mundo. A Rede Mundial de Computadores (WEB) possui todos os dados de cada unidade humana.  Ao mesmo tempo que se abre como um espaço democrático, há nos obscuros escaninhos dos Governos Globalizados um gerenciamento da existência de cada individuo conectado na rede. As recentes revelações de Edward Snowden publicadas por Greenwald nos mostram este aspecto.  Não estamos sós, cada pensamento, cada expressão deste exercício neuronial é monitorado, vigiado e reprimido e estimulado para o consumo. 








Os Drones que eliminam "terroristas" tem como consequência perversa atingir populações civis. Quem decide se x ou y sumariamente devem ser eliminado são governos comprometidos com a tecnologia de guerra.  A economia bélica pressiona governos para que seus produtos sejam consumidos pelo  ditador de plantão ou o Obama do momento. Como podemos confiar em Governantes se eles se elegem com dinheiro do Lobby dos Grandes Conglomerados Econômicos. Estamos determinado a acreditar que os seres humanos são dependentes da ideologia do poder de plantão, da Igreja, das teologias, do Capitalismo e da Política dos Rentista que estouram Orçamentos Sociais; pois somente uma minoria sai as ruas para  protestar  a manipulação que o ser humano é submetido, enquanto a passividade e um consumo desenfreado encantam a classe media no seu eterno sonho de ter...




Terminando... como se organizar contra a totalidade repressora de transnacionais, de manipulação de dados,  de governos corruptos que com o voto a cabresto conduzido pelas Mídias Tradicionais se mantém  frente a Países que estão ligados intestinalmente com o interesse econômico. Não há fronteiras delimitando o que ser humano pode ou não pode fazer, mas simplesmente a organização de uma moral baseada em estrategias de dominação que  mantém a população escrava de sua própria "consciência", aceitando o olhar do Senhor - A Crueldade da Filosofia de Hegel Racionalista.... 

Ninguém pode  manipular nossos sonhos como manipulam a realidade... E com esta frase encerro minha divagação internamente coerente com os meus neurônios configurados pelo ser que se atualizou no castrador sistema capitalista.








Nenhum comentário:

Postar um comentário